ACESSIBILIDADE | ALTO CONTRASTE | MAPA DO SITE
TAMANHO DA FONTE: A- | A+

NOTÍCIAS Voltar >

UM NOVO ALENTO À REABERTURA DO FRIGORÍFICO MINERVAUM NOVO ALENTO À REABERTURA DO FRIGORÍFICO MINERVA

Publicado em 21/04/2017, Por Amaury Dantas

“A Minerva foi a primeira empresa do grupo Minerva Foods, tendo sido adquirida em 1992 pela família Vilela de Queiroz que desde os anos 1950 se destacava pela excelência no transporte e criação de gado e pelo bom relacionamento com pecuaristas de todo o país. A experiência anterior com os pecuaristas foi transformada em política institucional da companhia, criando laços de confiança e transparência para o crescimento mútuo e sustentável orientar diversas ações da empresa. Entre as empresas de grande porte, a Minerva foi a mais valorizada nos últimos anos, resultado atingido através de uma estratégia de negócios baseada na coerência, solidez e sustentabilidade. Essa estratégia tornou a Minerva reconhecida e prestigiada internacionalmente pela alta qualidade da sua produção”.

No dia 6 de  Junho de 2015 o Frigorífico Minerva confirmou encerramento das atividades da Planta no município de Mirassol D’Oeste. A empresa demitiu sumariamente em torno de 1000 funcionários, e com eles se foram todos os contratos e parcerias que mantinha com a iniciativa privada local, este procedimento automaticamente impactou negativamente toda a economia local e regional. Na época, a Holding se justificou dizendo que a medida representava uma readequação das operações das empresas do Grupo em todo o país, visando a obtenção de melhorias na eficiência da captação dos rendimentos, que, como se sabe no Brasil, estão sujeitos às altas taxas das obrigações tributárias.

A Companhia com isso, estaria otimizando a economia de custo pelo aumento da capacidade instalada, que segundo previa a companhia, iria incrementar a rentabilidade por reequilíbrio geográfico de suas operações.

A Empresa assumiu as garantias de todos os direitos trabalhistas dos  funcionários  da planta desativada no município de Mirassol D’Oeste, como também reiterou que não ficaria inadimplente com os colaboradores, com o município e o Estado de Mato Grosso. A empresa também aproveitou para agradecer todo o apoio que recebeu da cidade de Mirassol D’Oeste e da região sudoeste de Mato Grosso, no período em que manteve suas atividades operacionais.

A partir daí, deu-se início a um grande impacto negativo à economia do município, o então prefeito Elias Leal, esteve no Ministério Público do Trabalho em Cuiabá, onde reclamou em reunião do prejuízo causado aos municípios da região sudoeste e também aos trabalhadores com o fechamento da empresa Minerva em Mirassol D´Oeste, na ocasião, se reuniu com o Vice-Governador, Carlos Favaro pleiteando ajuda ao governo do estado quanto ao grave problema que a partir daquele momento atingiria em cheio a região sudoeste de Mato Grosso quanto às demissões em massa que ocorreram, especialmente, no que se refere o fechamento do frigorifico Minerva em Mirassol D’Oeste.

Para o então gestor municipal, a empresa era referência na pecuária da região oeste do Estado de Mato Grosso, onde lamentou muito pelo fechamento da mesma no município; segundo a direção da empresa, o fechamento deu-se em consequência de questões de logística e estratégia.

 

Na época ressaltou o prefeito Elias Mendes Leal Filho: " O fechamento do frigorifico Minerva foi agressivo à cidade, onde não houve um rito, indaguei inclusive, a possibilidade de rediscutir o assunto, onde me foi dito que não havia mais o que ser discutido; isto fez com que o município se sentisse lesado com o desemprego de mais de 1000 trabalhadores, e diante deste quadro pedi intervenção por parte do governo do estado para uma solução eminente e que por parte do governo foi dito que iria se buscar novos investidores para Mirassol D´Oeste e região, onde demonstraram grande preocupação com o fechamento desta planta no município ".

 

De lá para cá, iniciou-se uma interminável sequência de encontros e reuniões, oitivas se sucederam de ambas as partes numa Comissão Parlamentar de Inquérito CPI instaurada dentro da Câmara Municipal de Mirassol D’Oeste, com transmissão ao vivo pela TV Assembleia, inúmeras viagens a Brasília, um verdadeiro filme de longa metragem onde os atores protagonistas elencavam um verdadeiro drama de estratégias e negociações intermináveis, onde os únicos atingidos em cheio foram os milhares de trabalhadores coadjuvantes que perderam o direito constituído por lei ao trabalho digno. A crise atingiu em cheio a qualidade de vida de milhares de famílias, consequentemente desestabilizando o mercado comum do sudoeste de Mato Grosso.

 

Não bastasse este caótico cenário da vida real, onde a trama se sucedia numa contagem regressiva dos auxílios desempregos daqueles que ficaram à deriva da ressaca no mercado de trabalho em Mirassol D’Oeste e região, deu-se início às articulações de bastidores das Eleições 2016 para prefeitos e vereadores; Então, uma verdadeira enxurrada de falso juízo alastrou-se no consciente coletivo da população; formaram-se grupos dos mais variados interesses políticos, e o tema da reabertura do frigorífico alçou as mais diversas e absurdas opiniões, em paralelo a este turbilhão de informações ora desencontradas ora inverídicas, as negociações para solucionar o impasse causado pelo frigorífico Minerva, seguiam um curso sinuoso, várias comissões envolvendo políticos e empresários do setor da pecuária de corte já foram formadas e direcionadas aos gabinetes em Brasília, porém, a pauta aparenta um visível estado de letargia.

No último dia 17 de Abril, aconteceu uma reunião no Salão de Eventos da CDL em Mirassol D’Oeste, onde um grupo de empresários e pecuaristas locais, junto a bancada legislativa municipal, seguida da presença de Marinez Campos prefeita interina de Mirassol D’Oeste, voltaram a pontuar o tema, na ocasião foi proposta uma nova rodada de negociações em Brasília; o Poder Executivo Municipal mostrou-se sensibilizado com o assunto e reiterou seu compromisso no que se refere a reabertura do frigorífico em Mirassol D’Oeste, onde vêm buscando uma solução viável para reverter este impasse que atinge diretamente a economia do município. Recentemente, um grupo político formado pelos poderes constituídos no município esteve na capital federal pleiteando uma solução para o caso.

Blairo Maggi Ministro da Agricultura recebeu a comissão miradolense e sinalizou dizendo que não se pode aceitar o que está acontecendo, e que o Ministério da Agricultura está ciente deste grave problema que atinge não somente a região de Mirassol D’Oeste como também boa parte do país, argumentou que a reunião com a associação brasileira dos cedentes da carne, ficou tratado que já nos próximos meses algumas plantas como a de Mirassol D’Oeste, Nova Xavantina, Brasnorte e uma nova planta em Vila Bela da Santíssima Trindade serão reativadas e aberta.

O Ministro foi questionado de que maneira a nova regra pode beneficiar os pequenos produtores, e destacou que, as regras para os pequenos produtores eram as mesmas dos grandes frigoríficos, e que a partir da nova instrução normativa houve uma considerada mudança favorecendo o pequeno produtor, foram feitas 37 mudanças na nova instrução normativa, criando condições para que estas pequenas indústrias tenham o merecido e justo acesso ao mercado de trabalho, junto com a estadualização e a municipalização do sistema de fiscalização, dando as condições necessárias para que estas pequenas indústrias realmente possam potencializar sua produção de fato; este é o eixo que o Ministério da Agricultura percebe ser o mais provável para desburocratizar o ambiente, tornando mais ágil os negócios da agricultura, as estimativas de quanto isto pode gerar ou ser economizado serão monitoradas gradativamente de acordo com o desempenho desse novo formato que estará sendo proposto pelo Ministério da Agricultura.      




Compartilhar: FACEBOOK

CLIMA E TEMPO